Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Show L 80 min R$ 25,00

Jazz Festival Brasil

Endereço

R. da Bahia, 2244
Lourdes - Belo Horizonte - MG

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(31) 2626-1015

Temporada

Sábado 21h

07 de Outubro de 2017

Ingressos

R$ 25,00

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.
50% para clientes Bradesco.
15% para sócio do Minas Tênis Clube

Valores

R$ 25,00 inteira
R$ 12,50 meia

Informações

-É expressamente proibido o consumo de alimentos e bebidas no interior do Teatro.
-Quando for permitido a entrada após o início do espetáculo perde-se o direito ao lugar marcado.
-Devolução de ingresso até 96hs antes do evento.

Jazz Festival Brasil convida Fortuna para apresentação única no Teatro Bradesco
Show Novos Mares promove o encontro da pluralidade cultural do Mediterrâneo, África do Norte, Oriente Médio
O Jazz Festival Brasil convidou a cantora paulista Fortuna para apresentar seu último trabalho “Novos Mares - Alepo - Sefarad – Olinda”, no dia 7 de outubro, às 21h, no Teatro Bradesco. Reconhecida na cena musical brasileira por se dedicar a investigar e resgatar sonoridades, melodias e tradições musicais judaicas, a artista volta a Belo Horizonte depois de dez anos para promover um encontro entre as culturas do Mediterrâneo, África do Norte e Oriente Médio. A atração reúne canções dos povos judeu, árabe e cristão, ressaltando valores como tolerância, universalidade e respeito à diversidade. Os ingressos, vendidos a preços acessíveis, podem ser adquiridos por R$ 25 (inteira) e R$ 12,50 (meia-entrada), a partir do dia 20 de outubro, no site http://www.compreingressos.com.
“Novos Mares” tem como ponto de partida uma ligação profunda com as músicas interpretadas pelos judeus que emigraram para várias partes do Novo Mundo, cantando temas em árabe, hebraico e ladino.
Filha de um sírio refugiado de Alepo, Fortuna, judia, cresceu ouvindo canções árabes. “Meu pai trouxe toda essa vivência afetiva musical para o Brasil. Ele ouvia os cantos dos Muezzin, da pequena mesquita vizinha de muro de sua casa, e carregou estes cantos consigo para sempre. Não tinha como não ter uma marca cultural profunda oriunda do mundo árabe, entremeada de afeto”, comenta.
Vivi esse caldeirão de musicalidade e em um determinado momento da minha vida, achei que tinha que revisitar essa trajetória desde Alepo”, explica. A partir desta iluminação profunda, a cantora chamou seu colega e diretor musical Gabriel Levy para trabalharem em um material que traduzisse em música esse desejo.
Em “Novos Mares”, a música é encarada como um fio condutor essencial para alcançar um diálogo intercultural entre pessoas pertencentes a nações e religiões diferentes, mas que têm em comum a linguagem da música. Na construção do repertório do show, Fortuna buscou inspirações nas canções que ouvia em sua infância e em pesquisas sobre suas origens.
Os judeus, em suas errâncias ,migraram para diversos países. Em 1492 na Inquisição, os Sefardim, judeus da Península Ibérica que falavam o dialeto Ladino, foram expulsos da Espanha e de Portugal, e se espalharam pelo mundo afora : Mediterrâneo, África do Norte, Balcãs, entre outros.
Imbuídos do sentimento de sua cultura ibérica, impregnada pelos ritmos dos mouros e o lamento judaico e oriental, os Sefardim passam a absorver as influências dos lugares onde passaram a viver.
O entrelace de raízes que ocorre entre essas culturas torna o cancioneiro Ladino um caldeirão muito exótico e interessante.
“A possibilidade de harmonizar, por meio da música, culturas diversas permite que o ouvinte se encante com o entrelace destas diversas sonoridades e contextos poéticos”, sugere.
Entre os destaques de “Novos Mares” está a canção “Branca Dias”, composição de Fortuna em parceria com Gabriel Levy (música) e Leo Cunha (letra). Numa leitura pessoal, a obra faz referência à personagem que entrou para a história como uma mulher de hábitos e beleza não convencionais, que fugiu de Lisboa pelo mar, até Olinda, e acabou condenada à fogueira da Inquisição por suas práticas judaizantes.
Diversidade para o Jazz
A escolha de Fortuna para protagonizar essa edição especial do Jazz Festival Brasil não foi aleatória. Para Leonardo Soltz, idealizador do projeto, a cantora é uma artista da World Music, focada na experimentação. “A Fortuna traz o frescor da novidade para o público do Jazz, que está acostumado a ter uma sonoridade de grande estilo e de gêneros que dialogam com diversas culturas, como a do Oriente Médio”, ressalta. De acordo com ele, a música da Fortuna vem em um momento crucial para o cenário em que o mundo vivencia. “Não há nada melhor que a música para promover o encontro de culturas e religiões diversas. O Brasil foi o primeiro país a acolher refugiados sírios e, nos anos 50, acolheu também a comunidade judaica que aqui permanece. Trazer um espetáculo desses é mais uma oportunidade de descortinar essa cultura e mostrar o poder da palavra e da música, sem fronteiras”, reforça.

Vinícius de Lucca
Responder / Encaminhar / Adicionar anotação / Discuss

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Show L 80 min

Jazz Festival Brasil

Teatro Bradesco BH

Lourdes - Belo Horizonte - MG

Jazz Festival Brasil convida Fortuna para apresentação única no Teatro Bradesco
Show Novos Mares promove o encontro da pluralidade cultural do Mediterrâneo, África do Norte, Oriente Médio
O Jazz Festival Brasil convidou a cantora paulista Fortuna para apresentar seu último trabalho “Novos Mares - Alepo - Sefarad – Olinda”, no dia 7 de outubro, às 21h, no Teatro Bradesco. Reconhecida na cena musical brasileira por se dedicar a investigar e resgatar sonoridades, melodias e tradições musicais judaicas, a artista volta a Belo Horizonte depois de dez anos para promover um encontro entre as culturas do Mediterrâneo, África do Norte e Oriente Médio. A atração reúne canções dos povos judeu, árabe e cristão, ressaltando valores como tolerância, universalidade e respeito à diversidade. Os ingressos, vendidos a preços acessíveis, podem ser adquiridos por R$ 25 (inteira) e R$ 12,50 (meia-entrada), a partir do dia 20 de outubro, no site http://www.compreingressos.com.
“Novos Mares” tem como ponto de partida uma ligação profunda com as músicas interpretadas pelos judeus que emigraram para várias partes do Novo Mundo, cantando temas em árabe, hebraico e ladino.
Filha de um sírio refugiado de Alepo, Fortuna, judia, cresceu ouvindo canções árabes. “Meu pai trouxe toda essa vivência afetiva musical para o Brasil. Ele ouvia os cantos dos Muezzin, da pequena mesquita vizinha de muro de sua casa, e carregou estes cantos consigo para sempre. Não tinha como não ter uma marca cultural profunda oriunda do mundo árabe, entremeada de afeto”, comenta.
Vivi esse caldeirão de musicalidade e em um determinado momento da minha vida, achei que tinha que revisitar essa trajetória desde Alepo”, explica. A partir desta iluminação profunda, a cantora chamou seu colega e diretor musical Gabriel Levy para trabalharem em um material que traduzisse em música esse desejo.
Em “Novos Mares”, a música é encarada como um fio condutor essencial para alcançar um diálogo intercultural entre pessoas pertencentes a nações e religiões diferentes, mas que têm em comum a linguagem da música. Na construção do repertório do show, Fortuna buscou inspirações nas canções que ouvia em sua infância e em pesquisas sobre suas origens.
Os judeus, em suas errâncias ,migraram para diversos países. Em 1492 na Inquisição, os Sefardim, judeus da Península Ibérica que falavam o dialeto Ladino, foram expulsos da Espanha e de Portugal, e se espalharam pelo mundo afora : Mediterrâneo, África do Norte, Balcãs, entre outros.
Imbuídos do sentimento de sua cultura ibérica, impregnada pelos ritmos dos mouros e o lamento judaico e oriental, os Sefardim passam a absorver as influências dos lugares onde passaram a viver.
O entrelace de raízes que ocorre entre essas culturas torna o cancioneiro Ladino um caldeirão muito exótico e interessante.
“A possibilidade de harmonizar, por meio da música, culturas diversas permite que o ouvinte se encante com o entrelace destas diversas sonoridades e contextos poéticos”, sugere.
Entre os destaques de “Novos Mares” está a canção “Branca Dias”, composição de Fortuna em parceria com Gabriel Levy (música) e Leo Cunha (letra). Numa leitura pessoal, a obra faz referência à personagem que entrou para a história como uma mulher de hábitos e beleza não convencionais, que fugiu de Lisboa pelo mar, até Olinda, e acabou condenada à fogueira da Inquisição por suas práticas judaizantes.
Diversidade para o Jazz
A escolha de Fortuna para protagonizar essa edição especial do Jazz Festival Brasil não foi aleatória. Para Leonardo Soltz, idealizador do projeto, a cantora é uma artista da World Music, focada na experimentação. “A Fortuna traz o frescor da novidade para o público do Jazz, que está acostumado a ter uma sonoridade de grande estilo e de gêneros que dialogam com diversas culturas, como a do Oriente Médio”, ressalta. De acordo com ele, a música da Fortuna vem em um momento crucial para o cenário em que o mundo vivencia. “Não há nada melhor que a música para promover o encontro de culturas e religiões diversas. O Brasil foi o primeiro país a acolher refugiados sírios e, nos anos 50, acolheu também a comunidade judaica que aqui permanece. Trazer um espetáculo desses é mais uma oportunidade de descortinar essa cultura e mostrar o poder da palavra e da música, sem fronteiras”, reforça.

Vinícius de Lucca
Responder / Encaminhar / Adicionar anotação / Discuss