Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Teatro 14 60 MIN R$ 80,00 inteira
R$ 40,00 meia

Frames

Teatro Ademar Rosa

Agronômica - Florianópolis - SC

Endereço

Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600
Agronômica - Florianópolis - SC

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(48) 3003 9176

Temporada

Quinta às 20h00

12 de Outubro de 2017

Ingressos

R$ 80,00 inteira
R$ 40,00 meia

Promoção Itaucard

50% de desconto para clientes Itaucard.

Promoção pessoal e intransferível para o titular do cartão na compra de um ingresso inteiro. Válido somente para 1 apresentação do espetáculo, mediante pagamento com cartões participantes da promoção.

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.

Ficha técnica

TEXTO: FRANZ KEPPLER DIREÇÃO: CAMILA GAMA E SANDRO PAMPONET ELENCO: DANIEL ROCHA E HUGO BONEMER

“FRAMES” CHEGA A FLORIANÓPOLIS EM OUTUBRO

Com os atores Daniel Rocha e Hugo Bonemer, peça faz única apresentação em outubro no Teatro Ademar Rosa

No dia 12 de outubro chega à Florianópolis, no Teatro Ademar Rosa, o espetáculo Frames, de Franz Keppler ( Camille & Rodin, Córtex, Com Amor, Brigitte), encenado pela primeira vez na capital paulista em 2009 e que rendeu ao autor a indicação ao prêmio APCA de melhor texto daquele ano. Agora, a peça ( que já passou por Salvador, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul, Brusque, Lages e atualmente está em temporada em São Paulo) tem direção da carioca Camila Gama e do baiano Sandro Pamponet (que já mostrou seu trabalho por aqui em Pop Corn e Caixa de Areia) e os atores Daniel Rocha ( Avenida Brasil, Império ,Totalmente Demais e A Lei do Amor) e Hugo Bonemer ( Hair, Rock in Rio – O Musical, Yank, Alto Astral e A Lei do Amor) no elenco.
Nesta montagem, que ganhou novas camadas dramatúrgicas e foi atualizada pelo autor, a comédia dramática traz quatro histórias, quatro recortes de vida que acontecem durante um mesmo dia em uma grande cidade, onde o que move – ou não – os personagens são as suas urgências e impossibilidades. Na primeira história, “Fogos no céu de meio dia”, vemos duas pessoas impedidas de sair na rua por conta de um tiroteio, cada uma delas com um objetivo naquele dia que poderia mudar radicalmente suas vidas. Em “Lâmpadas e Ovos Quebram”, duas pessoas, cada uma em seu carro, estão presas num engarrafamento. Uma precisa chegar ao aeroporto a tempo de impedir que seu grande amor vá embora. A outra, vai ao encontro de alguém que poderá tirá-la do estado de morte civil em que ele se encontra. Em “Fogos no céu de meia-noite”, dois amigos estão na sala de espera de um hospital e enquanto aguardam, refletem sobre suas vidas. Finalmente, temos “Era pra ser só uma festa”, que trata da questão da homofobia e de suas trágicas consequências. “Em três destas situações, os personagens são forçados a conviver como consequência de riscos urbanos, enquanto que na quarta evidencia-se a convivência por escolha. E o melhor da relação humana é extraído quando são exploradas possibilidades de entendimento entre pessoas que pensam diferente”, explica Bonemer que produziu o espetáculo ao lado de Keppler.

“É um espetáculo que aborda questões como a construção do afeto e de sua liquidez contemporânea, por vezes se desdobrando em intolerância. Com ele, queremos criar espaço para reflexões sobre ‘um possível adoecer social’ que acaba por promover uma solidão apática, e que ao mesmo tempo, dadas as possibilidades tecnológicas, está ironicamente acompanhada por uma sensação de “estar conectado ao todo, enfatizam os diretores. Mas tudo é tratado com muito humor e delicadeza. “ E percebemos, nas viagens que fizemos, que é isso faz com que as pessoas se identifiquem com as histórias e personagens e reflitam sobre essa dificuldade de se comunicar e entender o outro e de como é possível conviver com mais leveza”, completa Daniel.
SINOPSE PARA ROTEIRO
Com muito humor e delicadeza, Frames traz quatro recortes de vida que exploram as possibilidades de entendimento entre pessoas muito diferentes.


*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Teatro 14 60 MIN

Frames

Teatro Ademar Rosa

Agronômica - Florianópolis - SC

“FRAMES” CHEGA A FLORIANÓPOLIS EM OUTUBRO

Com os atores Daniel Rocha e Hugo Bonemer, peça faz única apresentação em outubro no Teatro Ademar Rosa

No dia 12 de outubro chega à Florianópolis, no Teatro Ademar Rosa, o espetáculo Frames, de Franz Keppler ( Camille & Rodin, Córtex, Com Amor, Brigitte), encenado pela primeira vez na capital paulista em 2009 e que rendeu ao autor a indicação ao prêmio APCA de melhor texto daquele ano. Agora, a peça ( que já passou por Salvador, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul, Brusque, Lages e atualmente está em temporada em São Paulo) tem direção da carioca Camila Gama e do baiano Sandro Pamponet (que já mostrou seu trabalho por aqui em Pop Corn e Caixa de Areia) e os atores Daniel Rocha ( Avenida Brasil, Império ,Totalmente Demais e A Lei do Amor) e Hugo Bonemer ( Hair, Rock in Rio – O Musical, Yank, Alto Astral e A Lei do Amor) no elenco.
Nesta montagem, que ganhou novas camadas dramatúrgicas e foi atualizada pelo autor, a comédia dramática traz quatro histórias, quatro recortes de vida que acontecem durante um mesmo dia em uma grande cidade, onde o que move – ou não – os personagens são as suas urgências e impossibilidades. Na primeira história, “Fogos no céu de meio dia”, vemos duas pessoas impedidas de sair na rua por conta de um tiroteio, cada uma delas com um objetivo naquele dia que poderia mudar radicalmente suas vidas. Em “Lâmpadas e Ovos Quebram”, duas pessoas, cada uma em seu carro, estão presas num engarrafamento. Uma precisa chegar ao aeroporto a tempo de impedir que seu grande amor vá embora. A outra, vai ao encontro de alguém que poderá tirá-la do estado de morte civil em que ele se encontra. Em “Fogos no céu de meia-noite”, dois amigos estão na sala de espera de um hospital e enquanto aguardam, refletem sobre suas vidas. Finalmente, temos “Era pra ser só uma festa”, que trata da questão da homofobia e de suas trágicas consequências. “Em três destas situações, os personagens são forçados a conviver como consequência de riscos urbanos, enquanto que na quarta evidencia-se a convivência por escolha. E o melhor da relação humana é extraído quando são exploradas possibilidades de entendimento entre pessoas que pensam diferente”, explica Bonemer que produziu o espetáculo ao lado de Keppler.

“É um espetáculo que aborda questões como a construção do afeto e de sua liquidez contemporânea, por vezes se desdobrando em intolerância. Com ele, queremos criar espaço para reflexões sobre ‘um possível adoecer social’ que acaba por promover uma solidão apática, e que ao mesmo tempo, dadas as possibilidades tecnológicas, está ironicamente acompanhada por uma sensação de “estar conectado ao todo, enfatizam os diretores. Mas tudo é tratado com muito humor e delicadeza. “ E percebemos, nas viagens que fizemos, que é isso faz com que as pessoas se identifiquem com as histórias e personagens e reflitam sobre essa dificuldade de se comunicar e entender o outro e de como é possível conviver com mais leveza”, completa Daniel.
SINOPSE PARA ROTEIRO
Com muito humor e delicadeza, Frames traz quatro recortes de vida que exploram as possibilidades de entendimento entre pessoas muito diferentes.