Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Show 14 70 min R$ 50,00 a R$ 120,00

AnaVitória

Teatro Tobias Barreto

Inácio Barbosa - Aracaju - SE

Endereço

Avenida Tancredo Neves
Inácio Barbosa - Aracaju - SE

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(79) 3003 9176

Temporada

Domingo 20h30 | Sessão Extra 18h30

24 de Setembro de 2017

Ingressos

R$ 50,00 a R$ 120,00

Descontos

- 50% para professores
- 50% para estudantes
- 50% para pessoas acima de 60 anos

* A carteira de estudante e o contra-cheque de professor, obrigatoriamente devem ser apresentados no acesso ao espetáculo e no ato da compra pela bilheteria.

Valores

Plateia
R$ 120,00 inteira
R$ 60,00 meia

Mezanino
R$ 100,00 inteira
R$ 50,00 meia

Informações

- Proibida a entrada após início do espetáculo
- Caso a produção permita a entrada após o início do espetáculo, perde-se o direito do lugar marcado.
- Apresentar comprovante de direito à meia-entrada, quando necessário, no acesso ao espetáculo.
- Menores de 14 anos não podem entrar mesmo acompanhados dos pais e/ou responsáveis.

"Com mais de oito milhões de visualizações no YouTube e 270 mil seguidores no Facebook, duo Anavitória lança primeiro álbum, sob produção de Tiago Iorc Segundo uma teoria de Andy Warhol, o pai da arte pop, desde que o cinema foi inventado, as pessoas tendem a replicar na vida real as situações e comportamentos que veem na tela. Mas há também os casos em que a vida, por conta própria, decide ser um filme. Ou um sonho. Foi mais ou menos assim que aconteceu com Ana Caetano, 21 anos, e Vitória Falcão, 20, duas amigas de escola de Araguaína, no Tocantins. Elas passavam os dias juntas, tocando violão, cantando e publicando vídeos das performances no YouTube. Os duetos de Ana e Vitória apresentavam principalmente a produção autoral de Ana, mas também faziam versões novas para músicas dos artistas que as duas mais gostavam. E foi nesse espírito que regravaram “Um Dia após o Outro”, canção do brasiliense Tiago Iorc lançada por ele no álbum “Zeski” (2013). Postaram o vídeo e logo tiveram a ideia: e se mostrassem a versão ao Tiago? Conseguiram um caminho via Felipe Simas, empresário do cantor. E enviaram. A vontade era agradar o ídolo, só isso. E qualquer elogio já seria um prêmio. No dia seguinte, veio a resposta: tanto Tiago quanto Simas não apenas tinham pirado com a versão como queriam produzir um disco das meninas. O filme delas estava começando.
Com produção de Tiago Iorc, portanto, o álbum “Anavitória” (Universal Music), que chega agora às lojas, é mais uma sequência dessa trama. A mais importante de todas elas. Pois imprime com clareza o alto potencial de comunicação de Ana e Vitória juntas – e a ideia de agravar os dois nomes em um, Anavitória, surgiu em uma conversa entre artistas e produtores.
O disco aponta com toda a precisão o espaço muito particular que as duas artistas podem ocupar no cenário musical brasileiro daqui em diante. Dada a biografia e faixa etária das integrantes, Anavitória transita com naturalidade inacreditável entre o urbano e o rural, entre o pop e o sertanejo, entre a cidade e a natureza. Elas não são cantoras de folk, simplesmente. Tampouco seus talentos se prestam apenas à música pop. As meninas ouviram as duas coisas no rádio, e muito mais do que isso, sem qualquer distinção e com igual prazer, durante toda a vida. Por isso, acabaram criando um som capaz de explodir essas fronteiras. Propõem algo conciliador e mais interessante, que chamam de “pop rural”. E podem contribuir com novos caminhos estéticos – e trazer mais doçura – para o mainstream brasileiro.
Ana Caetano assina as dez faixas inéditas de “Anavitória”, três delas escritas em parceira com Tiago Iorc. Única regravação do álbum, o clássico “Tocando em Frente”, de Almir Sater e Renato Teixeira, clareia o foco de referências e vem trazer ainda mais consistência conceitual à proposta da dupla. As 11 faixas foram gravadas no estúdio Fibra, no Rio, entre fevereiro e março. Além das parcerias e da produção, Tiago toca violão, viola, piano e percussão em várias faixas. E participa, cantando, de “Trevo (Tu)”. O time de músicos tem João Viana (bateria), Gastão Villeroy (baixo), Marco Lobo (percussão) e Jeff Pinas (viola), além dos arranjos de cordas de Rafael Lagoni Smith.
Pensando bem, não chega a ser correto chamar de “inéditas” todas as faixas escritas por Ana Caetano para o novo álbum. Algumas delas já estavam por aí, em vídeos postados pela própria Anavitória. São os casos de “Singular” e “Chamego Meu”, que também já haviam sido apresentadas no EP “Anavitória”, lançado em abril do ano passado e também produzido por Tiago Iorc (com Jeff Pinas) para o selo Forasteiro, que o cantor tem em sociedade com Simas. Além das duas faixas, esse EP trazia versões da dupla para as canções “Cores”, de Lorena Chaves, e “Tenteentender”, da banda Pouca Vogal, formada por Humberto Gessinger e Duca Leindecker. A ideia era mesmo testar o potencial das meninas, entender como seriam recebidas, traçar o caminho com calma. Tanto assim que, quando fizeram a proposta, os produtores não quiseram criar expectativas muito altas, mais ainda por se tratar de duas meninas cursando faculdade. “A gente vai gravar essas músicas no Rio. Vocês vêm, gravam e voltam para as vidas normais de vocês. E a gente vai vendo o que acontece”, eles disseram.
Mas aconteceu tudo. Os vídeos feitos para as canções explodiram. Lançado na página “Brasileiríssimos” do Facebook, “Singular” deu início ao processo todo e já estourou os cinco milhões de visualizações e os quase 67 mil compartilhamentos. Mais números? Até o momento em que esse texto que você lê foi escrito, os vídeos postados por Anavitória no YouTube já somavam mais de oito milhões de visitas. E a página da dupla no Facebook tinha ultrapassado os 270 mil seguidores (dos quais 11 mil apareceram logo nas primeiras 24 horas). Mas, pode conferir agora, esses números já cresceram. O EP do ano passado também foi bem: chegou a constar entre os 20 álbuns mais vendido do Brasil no iTunes e a atingir o segundo lugar entre as mais virais do Spotify. Toda essa repercussão abriu uma base sólida de fãs. Fiéis às meninas, eles compareceram em massa quando elas decidiram inscrever o projeto do disco novo no site de financiamento coletivo Catarse. Não só conseguiram toda a grana que precisavam para a gravação quanto ultrapassaram a meta em quase 30%."







*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Show 14 70 min

AnaVitória

Teatro Tobias Barreto

Inácio Barbosa - Aracaju - SE

"Com mais de oito milhões de visualizações no YouTube e 270 mil seguidores no Facebook, duo Anavitória lança primeiro álbum, sob produção de Tiago Iorc Segundo uma teoria de Andy Warhol, o pai da arte pop, desde que o cinema foi inventado, as pessoas tendem a replicar na vida real as situações e comportamentos que veem na tela. Mas há também os casos em que a vida, por conta própria, decide ser um filme. Ou um sonho. Foi mais ou menos assim que aconteceu com Ana Caetano, 21 anos, e Vitória Falcão, 20, duas amigas de escola de Araguaína, no Tocantins. Elas passavam os dias juntas, tocando violão, cantando e publicando vídeos das performances no YouTube. Os duetos de Ana e Vitória apresentavam principalmente a produção autoral de Ana, mas também faziam versões novas para músicas dos artistas que as duas mais gostavam. E foi nesse espírito que regravaram “Um Dia após o Outro”, canção do brasiliense Tiago Iorc lançada por ele no álbum “Zeski” (2013). Postaram o vídeo e logo tiveram a ideia: e se mostrassem a versão ao Tiago? Conseguiram um caminho via Felipe Simas, empresário do cantor. E enviaram. A vontade era agradar o ídolo, só isso. E qualquer elogio já seria um prêmio. No dia seguinte, veio a resposta: tanto Tiago quanto Simas não apenas tinham pirado com a versão como queriam produzir um disco das meninas. O filme delas estava começando.
Com produção de Tiago Iorc, portanto, o álbum “Anavitória” (Universal Music), que chega agora às lojas, é mais uma sequência dessa trama. A mais importante de todas elas. Pois imprime com clareza o alto potencial de comunicação de Ana e Vitória juntas – e a ideia de agravar os dois nomes em um, Anavitória, surgiu em uma conversa entre artistas e produtores.
O disco aponta com toda a precisão o espaço muito particular que as duas artistas podem ocupar no cenário musical brasileiro daqui em diante. Dada a biografia e faixa etária das integrantes, Anavitória transita com naturalidade inacreditável entre o urbano e o rural, entre o pop e o sertanejo, entre a cidade e a natureza. Elas não são cantoras de folk, simplesmente. Tampouco seus talentos se prestam apenas à música pop. As meninas ouviram as duas coisas no rádio, e muito mais do que isso, sem qualquer distinção e com igual prazer, durante toda a vida. Por isso, acabaram criando um som capaz de explodir essas fronteiras. Propõem algo conciliador e mais interessante, que chamam de “pop rural”. E podem contribuir com novos caminhos estéticos – e trazer mais doçura – para o mainstream brasileiro.
Ana Caetano assina as dez faixas inéditas de “Anavitória”, três delas escritas em parceira com Tiago Iorc. Única regravação do álbum, o clássico “Tocando em Frente”, de Almir Sater e Renato Teixeira, clareia o foco de referências e vem trazer ainda mais consistência conceitual à proposta da dupla. As 11 faixas foram gravadas no estúdio Fibra, no Rio, entre fevereiro e março. Além das parcerias e da produção, Tiago toca violão, viola, piano e percussão em várias faixas. E participa, cantando, de “Trevo (Tu)”. O time de músicos tem João Viana (bateria), Gastão Villeroy (baixo), Marco Lobo (percussão) e Jeff Pinas (viola), além dos arranjos de cordas de Rafael Lagoni Smith.
Pensando bem, não chega a ser correto chamar de “inéditas” todas as faixas escritas por Ana Caetano para o novo álbum. Algumas delas já estavam por aí, em vídeos postados pela própria Anavitória. São os casos de “Singular” e “Chamego Meu”, que também já haviam sido apresentadas no EP “Anavitória”, lançado em abril do ano passado e também produzido por Tiago Iorc (com Jeff Pinas) para o selo Forasteiro, que o cantor tem em sociedade com Simas. Além das duas faixas, esse EP trazia versões da dupla para as canções “Cores”, de Lorena Chaves, e “Tenteentender”, da banda Pouca Vogal, formada por Humberto Gessinger e Duca Leindecker. A ideia era mesmo testar o potencial das meninas, entender como seriam recebidas, traçar o caminho com calma. Tanto assim que, quando fizeram a proposta, os produtores não quiseram criar expectativas muito altas, mais ainda por se tratar de duas meninas cursando faculdade. “A gente vai gravar essas músicas no Rio. Vocês vêm, gravam e voltam para as vidas normais de vocês. E a gente vai vendo o que acontece”, eles disseram.
Mas aconteceu tudo. Os vídeos feitos para as canções explodiram. Lançado na página “Brasileiríssimos” do Facebook, “Singular” deu início ao processo todo e já estourou os cinco milhões de visualizações e os quase 67 mil compartilhamentos. Mais números? Até o momento em que esse texto que você lê foi escrito, os vídeos postados por Anavitória no YouTube já somavam mais de oito milhões de visitas. E a página da dupla no Facebook tinha ultrapassado os 270 mil seguidores (dos quais 11 mil apareceram logo nas primeiras 24 horas). Mas, pode conferir agora, esses números já cresceram. O EP do ano passado também foi bem: chegou a constar entre os 20 álbuns mais vendido do Brasil no iTunes e a atingir o segundo lugar entre as mais virais do Spotify. Toda essa repercussão abriu uma base sólida de fãs. Fiéis às meninas, eles compareceram em massa quando elas decidiram inscrever o projeto do disco novo no site de financiamento coletivo Catarse. Não só conseguiram toda a grana que precisavam para a gravação quanto ultrapassaram a meta em quase 30%."