Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Show L

Maria Teresa
&
Moustaki Quinteto

Endereço

Av. Sete de Setembro, 1537
Campo Grande - Salvador - BA

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(71) 2626-0032

Temporada

15 a 16 de Setembro de 2017

Tickets

R$ 80,00 couvert artístico

Serviços

Serviço de BAR:

A partir das 19h45.

(*) Como espectador do Café-Teatro Rubi, você pode desfrutar de preços especiais no jantar do Restaurante Passeio da Vitória – Sheraton da Bahia e também taxa especial de hospedagem. Consulte a Bilheteria do Teatro.

Informações

PROIBIDA A ENTRADA DEPOIS DO INÍCIO DO ESPETÁCULO.

Maria Teresa & Moustaki Quinteto
A cantora luso-francesa Maria Teresa, ao lado do Moustaki Quinteto, é a convidada do Café-Teatro Rubi, Sheraton da Bahia, para se apresentar nos dias 15 e 16 de setembro às 20h30. A artista faz uma turnê pelo Brasil e Salvador foi uma das capitais contempladas para apreciar o seu elogiado trabalho.
No repertório, destaque para criações do cantor e compositor de projeção internacional Georges Moustaki, além de canções francesas, portuguesas, sucessos internacionais e até mesmo Bossa Nova e jazz, em interpretações marcadas pelo trabalho da cantora no Teatro do Oprimido.
Maria Teresa dividiu o palco com Moustaki (inclusive no Olympia, em Paris) diversas vezes fazendo dueto em várias canções, como “Le Facteur”, “Portugal” e “L’inconsolable”. A artista trabalha, também, como atriz e um de seus importantes e contundentes trabalhos na Europa, especialmente na França, é levar adiante o conceito e as peças do Teatro do Oprimido, do dramaturgo brasileiro Augusto Boal.
Além de sucessos internacionais e obras da Bossa Nova, o espetáculo traz canções que Moustaki adaptou para o francês, extraídas dos repertórios de seus amigos e parceiros brasileiros. Entram na lista, “Les Eaux de Mars” (“Águas de Março”, de Tom Jobim), “Joseph” – cuja versão, em português, feita por Nara Leão, foi gravada por Rita Lee –, “Pour Un Ami” e “Sans la Nommer”, as três últimas também dele.
No show, Maria Teresa estará ao lado do mesmo quinteto de músicos que a acompanha nas turnês pela Europa. Para Pelai Ribas, documentarista e responsável pelos arquivos de Moustaki, o músico, cantor e compositor, falecido em 2013, retomaria, hoje, as palavras que escreveu para um dos álbuns de Maria Teresa. Moustaki disse: “No palco, estão reunidos a sensibilidade e a musicalidade da voz, o talento dos instrumentistas, a limpidez e o equilíbrio dos arranjos, a diversidade harmoniosa das composições a nos conduzir em direção a um mundo lusófono repleto de belas emoções”.
Fazem parte do quinteto, os brasileiros Toninho do Carmo (violão, direção musical e arranjos da temporada brasileira, integrante do grupo de Moustaki), Acelino Mathias de Paula Filho (contrabaixo) e Luiz Augusto Cavani (bateria, acompanhou Moustaki durante anos), o espanhol Rodrigue Fernandes (acordeão) e o francês Patrick Etonde Bebey (piano).
Perfil – Maria Teresa nasceu em Livry-Gargan (periferia de Paris) e é filha de pais portugueses que emigraram para a França no final dos anos de 1960. Ela começou a cantar na infância, estimulada por uma professora e pela mãe. Revela influência das músicas da cultura brasileira, das harmonias jazzísticas americanas e da variedade da "british-pop", dentre outras.
Ao formar-se em línguas estrangeiras aplicadas, decidiu investir na música. O Café Brasília, de Paris, abriu-lhe as portas. Na sequência, foi cantar no cabaré "Aux Trois Mailletz", o mais antigo da cidade. Foi lá que conheceu o guitarrista Toninho do Carmo, produtor do seu primeiro álbum, "Porto das Palavras".
Nazaré Pereira, Arrigo Barnabé e Georges Moustaki foram outros artistas com quem também se apresentou. Maria Teresa sempre tem se apresentado com salas lotadas. Ella Fitzgerald, Rosa Passos, Vinicius de Moraes e Tom Jobim são alguns nomes de sua admiração e influência. Sua agenda inclui apresentações em Portugal, Espanha e França.
Além de cantora personalíssima, Maria Teresa é também uma atriz talentosa. Faz parte da trupe do "Théâtre de l'Opprimé" (Teatro do Oprimido, fundado por Augusto Boal e dirigido por Rui Frati).

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Show L

Maria Teresa & Moustaki Quinteto

Café Teatro Rubi - Sheraton da Bahia Hotel

Campo Grande - Salvador - BA

Maria Teresa & Moustaki Quinteto
A cantora luso-francesa Maria Teresa, ao lado do Moustaki Quinteto, é a convidada do Café-Teatro Rubi, Sheraton da Bahia, para se apresentar nos dias 15 e 16 de setembro às 20h30. A artista faz uma turnê pelo Brasil e Salvador foi uma das capitais contempladas para apreciar o seu elogiado trabalho.
No repertório, destaque para criações do cantor e compositor de projeção internacional Georges Moustaki, além de canções francesas, portuguesas, sucessos internacionais e até mesmo Bossa Nova e jazz, em interpretações marcadas pelo trabalho da cantora no Teatro do Oprimido.
Maria Teresa dividiu o palco com Moustaki (inclusive no Olympia, em Paris) diversas vezes fazendo dueto em várias canções, como “Le Facteur”, “Portugal” e “L’inconsolable”. A artista trabalha, também, como atriz e um de seus importantes e contundentes trabalhos na Europa, especialmente na França, é levar adiante o conceito e as peças do Teatro do Oprimido, do dramaturgo brasileiro Augusto Boal.
Além de sucessos internacionais e obras da Bossa Nova, o espetáculo traz canções que Moustaki adaptou para o francês, extraídas dos repertórios de seus amigos e parceiros brasileiros. Entram na lista, “Les Eaux de Mars” (“Águas de Março”, de Tom Jobim), “Joseph” – cuja versão, em português, feita por Nara Leão, foi gravada por Rita Lee –, “Pour Un Ami” e “Sans la Nommer”, as três últimas também dele.
No show, Maria Teresa estará ao lado do mesmo quinteto de músicos que a acompanha nas turnês pela Europa. Para Pelai Ribas, documentarista e responsável pelos arquivos de Moustaki, o músico, cantor e compositor, falecido em 2013, retomaria, hoje, as palavras que escreveu para um dos álbuns de Maria Teresa. Moustaki disse: “No palco, estão reunidos a sensibilidade e a musicalidade da voz, o talento dos instrumentistas, a limpidez e o equilíbrio dos arranjos, a diversidade harmoniosa das composições a nos conduzir em direção a um mundo lusófono repleto de belas emoções”.
Fazem parte do quinteto, os brasileiros Toninho do Carmo (violão, direção musical e arranjos da temporada brasileira, integrante do grupo de Moustaki), Acelino Mathias de Paula Filho (contrabaixo) e Luiz Augusto Cavani (bateria, acompanhou Moustaki durante anos), o espanhol Rodrigue Fernandes (acordeão) e o francês Patrick Etonde Bebey (piano).
Perfil – Maria Teresa nasceu em Livry-Gargan (periferia de Paris) e é filha de pais portugueses que emigraram para a França no final dos anos de 1960. Ela começou a cantar na infância, estimulada por uma professora e pela mãe. Revela influência das músicas da cultura brasileira, das harmonias jazzísticas americanas e da variedade da "british-pop", dentre outras.
Ao formar-se em línguas estrangeiras aplicadas, decidiu investir na música. O Café Brasília, de Paris, abriu-lhe as portas. Na sequência, foi cantar no cabaré "Aux Trois Mailletz", o mais antigo da cidade. Foi lá que conheceu o guitarrista Toninho do Carmo, produtor do seu primeiro álbum, "Porto das Palavras".
Nazaré Pereira, Arrigo Barnabé e Georges Moustaki foram outros artistas com quem também se apresentou. Maria Teresa sempre tem se apresentado com salas lotadas. Ella Fitzgerald, Rosa Passos, Vinicius de Moraes e Tom Jobim são alguns nomes de sua admiração e influência. Sua agenda inclui apresentações em Portugal, Espanha e França.
Além de cantora personalíssima, Maria Teresa é também uma atriz talentosa. Faz parte da trupe do "Théâtre de l'Opprimé" (Teatro do Oprimido, fundado por Augusto Boal e dirigido por Rui Frati).