Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PR
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Show L 80 min R$ 40,00

Ayrton Montarroyos

Teatro Itália

República - São Paulo - SP

Endereço

Av. Ipiranga, 344
República - São Paulo - SP

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(11) 2122-2474

Temporada

Terça 21h

08 de Agosto de 2017

Ingressos

R$ 40,00

Promoção Itaucard

50% de desconto para clientes Itaucard.

Promoção pessoal e intransferível para o titular do cartão na compra de um ingresso inteiro. Válido somente para 1 apresentação do espetáculo, mediante pagamento com cartões participantes da promoção.

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.

Valores

R$ 40,00 inteira
R$ 20,00 meia

Ayrton Montarroyos faz show de lançamento de seu primeiro CD no teatro Itália com participação especial de Luiza Possi

O trunfo de Ayrton Montarroyos, neste primeiro trabalho que o pernambucano de 21 anos lança, é a maturidade com que enxerga as canções e extrai delas não um meio para sua voz sobressair, mas uma versão belíssima para que a interprete com toda bagagem musical que carrega, apesar da pouca idade.

Ayrton ficou famoso por suas interpretações televisivas de clássicos da música nacional, como "Força Estranha" e "Carinhoso", no programa "The Voice Brasil", onde foi vice-campeão. Automaticamente, foi alçado ao posto de ícone do resgate desse belo cancioneiro nacional. Só que esta é uma visão diminuta de sua capacidade.

Ayrton Montarroyos não é nem pretende ser um compositor. Só que ele mesmo considera algumas obras inúteis de serem interpretadas, dada a beleza atingida em suas versões originais ou prévias releituras. O que ele faz de melhor é observar repertórios, e deles extrair pérolas que poderiam ser igualmente belas vistas por outros ângulos e acomodar sua voz suave de assinatura própria. Tornando-se, talvez, co-autor das obras que canta.É o que faz com "Portão", do igualmente pernambucano Lula Queiroga, onde constrói em camadas de arranjos de bom gosto absurdo a primeira pepita do trabalho. Ouve-se tanto o flugelhorn (espécie de trompete) quanto acordeon fazendo a cama para ele deitar o vocal macio.

O que chama atenção é a sutileza dos poucos versos da canção em contra-ponto com camadas densas que percorrem todo o disco, como em "Alto Lá", de Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Sombrinha, pagode com letra séria transformado em tango com arranjo do incrível Artur Verocai. Ayrton extrai simplicidade e sossego de "Vamos Ficar Sol", composição de Tibério Azul. Se ele foi alçado ao posto de esperança do resgate de canções dos conhecidos anos dourados, esta deixa de ser uma verdade indissolúvel com "E Então", composta pela mesma geração de Ayrton, de Tiné. Suas leituras, essas sim têm aquele toque de bom gosto dos anos de ouro da cultura brasileira, apesar de ser uma música composta nos últimos anos.

O lado dramático de Ayrton fica exposto em "Não me Arrependo", de Caetano Veloso. Talvez o (magistral) piano de Vitor Araújo seja uma das vozes da canção. Trabalho intrincado do produtor Thiago Marques Luiz, conhecido por trabalhar com grandes nomes da música como Cauby Peixoto e Ângela Maria. Engraçado é que até Marques Luiz sai da sua zona de conforto nesse disco. Percebe-se um produtor atento ao tempo e sensível as aparentes (e boas) mudanças de rota que Ayrton toma no meio do seu trilhar.

"Tu Não sabias" é igualmente composta pela geração de Ayrton, por Zé Manoel, arranjada no disco pelo talentoso Diogo Strauz. A harpa de Cristina Braga dá o toque inicial na suave "Diariamente" e segue na leitura de "Que Sejas Bem Feliz", de Cartola - em ambas os arranjos, o synth, o baixo são tronco e membros para a voz de Ayrton ditar a condução, sensibilidade do arranjador Yuri Queiroga.

A faixa "Tudo Em Volta de Mim Vira Um Vão", do compositor Graxa, é mais uma pepita do solo pernambucano. Intérprete de seu tempo e lugar, Ayrton traz do Maranhão a surpresa do disco. "À Porta do Edifício", música inédita de Zeca Baleiro, é canção feita para Ayrton, como se tivesse sido bolada nos anos 1950, com cara de seresta e acompanhada por bandolins.

No show de lançamento do CD que vai acontecer no dia 08 de agosto no Teatro Itália, Ayrton contará com a participação especial de Luiza Possi e será acompanhado por quatro músicos: Felipe S (guitarra e violão), Habacuque (baixo), Filipe Massumi (violoncelo) e Rafael Carneiro (bateria)

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Show L 80 min

Ayrton Montarroyos

Teatro Itália

República - São Paulo - SP

Ayrton Montarroyos faz show de lançamento de seu primeiro CD no teatro Itália com participação especial de Luiza Possi

O trunfo de Ayrton Montarroyos, neste primeiro trabalho que o pernambucano de 21 anos lança, é a maturidade com que enxerga as canções e extrai delas não um meio para sua voz sobressair, mas uma versão belíssima para que a interprete com toda bagagem musical que carrega, apesar da pouca idade.

Ayrton ficou famoso por suas interpretações televisivas de clássicos da música nacional, como "Força Estranha" e "Carinhoso", no programa "The Voice Brasil", onde foi vice-campeão. Automaticamente, foi alçado ao posto de ícone do resgate desse belo cancioneiro nacional. Só que esta é uma visão diminuta de sua capacidade.

Ayrton Montarroyos não é nem pretende ser um compositor. Só que ele mesmo considera algumas obras inúteis de serem interpretadas, dada a beleza atingida em suas versões originais ou prévias releituras. O que ele faz de melhor é observar repertórios, e deles extrair pérolas que poderiam ser igualmente belas vistas por outros ângulos e acomodar sua voz suave de assinatura própria. Tornando-se, talvez, co-autor das obras que canta.É o que faz com "Portão", do igualmente pernambucano Lula Queiroga, onde constrói em camadas de arranjos de bom gosto absurdo a primeira pepita do trabalho. Ouve-se tanto o flugelhorn (espécie de trompete) quanto acordeon fazendo a cama para ele deitar o vocal macio.

O que chama atenção é a sutileza dos poucos versos da canção em contra-ponto com camadas densas que percorrem todo o disco, como em "Alto Lá", de Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Sombrinha, pagode com letra séria transformado em tango com arranjo do incrível Artur Verocai. Ayrton extrai simplicidade e sossego de "Vamos Ficar Sol", composição de Tibério Azul. Se ele foi alçado ao posto de esperança do resgate de canções dos conhecidos anos dourados, esta deixa de ser uma verdade indissolúvel com "E Então", composta pela mesma geração de Ayrton, de Tiné. Suas leituras, essas sim têm aquele toque de bom gosto dos anos de ouro da cultura brasileira, apesar de ser uma música composta nos últimos anos.

O lado dramático de Ayrton fica exposto em "Não me Arrependo", de Caetano Veloso. Talvez o (magistral) piano de Vitor Araújo seja uma das vozes da canção. Trabalho intrincado do produtor Thiago Marques Luiz, conhecido por trabalhar com grandes nomes da música como Cauby Peixoto e Ângela Maria. Engraçado é que até Marques Luiz sai da sua zona de conforto nesse disco. Percebe-se um produtor atento ao tempo e sensível as aparentes (e boas) mudanças de rota que Ayrton toma no meio do seu trilhar.

"Tu Não sabias" é igualmente composta pela geração de Ayrton, por Zé Manoel, arranjada no disco pelo talentoso Diogo Strauz. A harpa de Cristina Braga dá o toque inicial na suave "Diariamente" e segue na leitura de "Que Sejas Bem Feliz", de Cartola - em ambas os arranjos, o synth, o baixo são tronco e membros para a voz de Ayrton ditar a condução, sensibilidade do arranjador Yuri Queiroga.

A faixa "Tudo Em Volta de Mim Vira Um Vão", do compositor Graxa, é mais uma pepita do solo pernambucano. Intérprete de seu tempo e lugar, Ayrton traz do Maranhão a surpresa do disco. "À Porta do Edifício", música inédita de Zeca Baleiro, é canção feita para Ayrton, como se tivesse sido bolada nos anos 1950, com cara de seresta e acompanhada por bandolins.

No show de lançamento do CD que vai acontecer no dia 08 de agosto no Teatro Itália, Ayrton contará com a participação especial de Luiza Possi e será acompanhado por quatro músicos: Felipe S (guitarra e violão), Habacuque (baixo), Filipe Massumi (violoncelo) e Rafael Carneiro (bateria)