Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PR
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Comédia 14 95 min R$ 25,00 a R$ 50,00

Egotrip
Ser ou Não Ser? Eis a Comédia.

Teatro Módulo

Pituba - Salvador - BA

Endereço

Av. Prof. Magalhães Neto, 1177
Pituba - Salvador - BA

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(71) 2626-1002

Temporada

Sábados e Domingos 20h

08 de Julho a 27 de Agosto de 2017

Ingressos

R$ 25,00 a R$ 50,00

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes (mediante apresentação da carteira de estudante na bilheteria).

* Os ingressos para os espetáculos do Teatro Módulo, serão vendidos em conformidade com o decreto nº 8537, de 5 de outubro de 2015, que regulamenta a Lei Federal 12.933/2013 - que dispõe sobre o benefício do pagamento de meia-entrada para estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos cadastrados no programa CadÚnico.

Formas de Comprovação:
- Estudante: Apenas carteira de identificação estudantil.
- Idosos: Documento com foto.
- Pessoas com Deficiência: Apresentação do cartão do benefício ou outro documento que ateste a aposentadoria.
- CadÚnico: Carteirinha do programa.

Ficha Técnica

Texto e Encenação
João Sanches
Elenco
Alexandre Moreira
Igor Epifânio
Jarbas Oliver
Rafael Medrado
Trilha ao Vivo
Leonardo Bittencourt
Produção
Carambola Produções
Produção Executiva
Clarice Bartilotti
Iluminação
Alexandre Moreira e João Sanches
Cenário
Erick Saboya, Igor Souza e João Sanches
Ilustrações
Igor Souza
Figurino
João Sanches
Preparação corporal
Ricardo Fagundes
Chefe de Cenotecnia
Adriano Passos
Cenotécnicos
André Passos, Lécio Moura (Dinei), Vitor Prata, Bruno Matos, Cássio Vieira (Tomate), Thiago Silva, Romildo Alves (Bido), Almiro Cerqueira e Alan Cerqueira.
Eletricista
Paulo Maurício

Valores

R$ 50,00 inteira
R$ 25,00 meia

Um grupo de quatro amigos tipicamente urbanos e individualistas decide viajar para uma longínqua cidadezinha do interior com o propósito de recuperar um suposto “anel de nobreza” pertencente à família de um deles. É assim que começa o divertido e envolvente espetáculo teatral “EGOTRIP – Ser ou não ser? Eis a comédia.”.
Nas curvas dessa viagem, os personagens viverão uma série de situações cômicas e dramáticas que transformarão suas percepções sobre o mundo. Uma clara alusão ao gênero cinematográfico road movie, em que os protagonistas deixam seus lares, partindo em busca de novas aventuras e fatalmente alterando as perspectivas sobre suas próprias vidas cotidianas. Durante esse processo, surgem muitas questões que refletem dilemas contemporâneos, como os binômios “carreira profissional x realização pessoal”, “posição política de esquerda x direita”, “casamento x vida solteira”, “cidade x campo” e “competitividade x solidariedade”. Dicotomias que proporcionarão uma busca de identidade, uma viagem do ego – daí o título da obra.
O espetáculo tem texto e encenação de João Sanches, trilha sonora ao vivo de Leonardo Bittencourt e conta com um elenco estelar da nova geração do teatro baiano - Igor Epifânio, Alexandre Moreira, Jarbas Oliver e Rafael Medrado, que já integraram grandes sucessos de bilheteria, como “Entre Nós - Uma comédia sobre diversidade” (Prêmio Braskem de Melhor Espetáculo, Melhor Texto e Melhor Ator, em 2013), “A Bofetada”, “Os Cafajestes”, “Siricotico” e “Camila Backer”.

Por sua vez, o encenador João Sanches é responsável por prestigiados espetáculos, como “Eu te amo mesmo assim”, “Boca a boca: um solo para Gregório” e “Entre Nós – Uma comédia sobre diversidade”, e que já realizaram temporadas tanto em outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, quanto em outros países, como Estados Unidos e Portugal. Para Sanches, a vida dos dias de hoje é uma vida de muitos trânsitos, muitos caminhos, com trocas mais dinâmicas e intensas. “Foi dessa observação que surgiu a vontade de refletir sobre um paradoxal sentimento contemporâneo de desconexão num mundo super conectado”, explica o encenador, que se apressa em complementar: “mas com leveza e humor”.
O cenário do espetáculo é uma pop arte vibrante e colorida. A base do material primário utilizado são engradados de cerveja, fazendo uma referência à liberalização da bebida nos dias de hoje e no quanto ela está presente nas relações sociais, no estímulo aos debates contemporâneos e nas mais variadas conversas. As ilustrações que colorem os engradados são inspiradas na arte urbana e caótica do norte americano Jean Michel Basquiat, valorizando a estética do grafite e da pintura neo-expressonista.
Já a trilha sonora é toda realizada ao vivo pelo multi-instrumentista e compositor Leonardo Bittencourt, fazendo várias referências à cultura popular brasileira, desde o samba de roda do Recôncavo Baiano ao punk do Ramones. Além dos números musicais, Bittencourt também executa a sonoplastia, o fundo musical e outros efeitos e intervenções sonoros durante toda a peça, ajudando a criar a atmosfera das cenas.

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Comédia 14 95 min

Egotrip Ser ou Não Ser? Eis a Comédia.

Teatro Módulo

Pituba - Salvador - BA

Um grupo de quatro amigos tipicamente urbanos e individualistas decide viajar para uma longínqua cidadezinha do interior com o propósito de recuperar um suposto “anel de nobreza” pertencente à família de um deles. É assim que começa o divertido e envolvente espetáculo teatral “EGOTRIP – Ser ou não ser? Eis a comédia.”.
Nas curvas dessa viagem, os personagens viverão uma série de situações cômicas e dramáticas que transformarão suas percepções sobre o mundo. Uma clara alusão ao gênero cinematográfico road movie, em que os protagonistas deixam seus lares, partindo em busca de novas aventuras e fatalmente alterando as perspectivas sobre suas próprias vidas cotidianas. Durante esse processo, surgem muitas questões que refletem dilemas contemporâneos, como os binômios “carreira profissional x realização pessoal”, “posição política de esquerda x direita”, “casamento x vida solteira”, “cidade x campo” e “competitividade x solidariedade”. Dicotomias que proporcionarão uma busca de identidade, uma viagem do ego – daí o título da obra.
O espetáculo tem texto e encenação de João Sanches, trilha sonora ao vivo de Leonardo Bittencourt e conta com um elenco estelar da nova geração do teatro baiano - Igor Epifânio, Alexandre Moreira, Jarbas Oliver e Rafael Medrado, que já integraram grandes sucessos de bilheteria, como “Entre Nós - Uma comédia sobre diversidade” (Prêmio Braskem de Melhor Espetáculo, Melhor Texto e Melhor Ator, em 2013), “A Bofetada”, “Os Cafajestes”, “Siricotico” e “Camila Backer”.

Por sua vez, o encenador João Sanches é responsável por prestigiados espetáculos, como “Eu te amo mesmo assim”, “Boca a boca: um solo para Gregório” e “Entre Nós – Uma comédia sobre diversidade”, e que já realizaram temporadas tanto em outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, quanto em outros países, como Estados Unidos e Portugal. Para Sanches, a vida dos dias de hoje é uma vida de muitos trânsitos, muitos caminhos, com trocas mais dinâmicas e intensas. “Foi dessa observação que surgiu a vontade de refletir sobre um paradoxal sentimento contemporâneo de desconexão num mundo super conectado”, explica o encenador, que se apressa em complementar: “mas com leveza e humor”.
O cenário do espetáculo é uma pop arte vibrante e colorida. A base do material primário utilizado são engradados de cerveja, fazendo uma referência à liberalização da bebida nos dias de hoje e no quanto ela está presente nas relações sociais, no estímulo aos debates contemporâneos e nas mais variadas conversas. As ilustrações que colorem os engradados são inspiradas na arte urbana e caótica do norte americano Jean Michel Basquiat, valorizando a estética do grafite e da pintura neo-expressonista.
Já a trilha sonora é toda realizada ao vivo pelo multi-instrumentista e compositor Leonardo Bittencourt, fazendo várias referências à cultura popular brasileira, desde o samba de roda do Recôncavo Baiano ao punk do Ramones. Além dos números musicais, Bittencourt também executa a sonoplastia, o fundo musical e outros efeitos e intervenções sonoros durante toda a peça, ajudando a criar a atmosfera das cenas.