Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Show L 75 min R$ 15,00

Manobra
Lançamento do disco "Ruas e Rios
(Teatro de Câmara)

Endereço

Avenida Amazonas, 315
Centro - Belo Horizonte - MG

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(31) 2626-1251

Temporada

Sábado 20h

17 de Junho de 2017

Ingressos

R$ 15,00

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.


* A carteira de estudante obrigatoriamente deve ser apresentada no acesso ao espetáculo e no ato da compra pela bilheteria. Não são aceitos boletos e comprovantes de matricula.

Estacionamento

Estacione, localizado na Rua Espírito Santos, nº 625.

Em dias de espetáculos, de segunda a domingo, o público do Cine Theatro Brasil Vallourec poderá deixar o veículo no Estacione a partir das 19h ao preço fixo de R$ 15,00. É necessária a apresentação do ingresso do espetáculo para poder usudruir do valor conveniado. O Visitante tem até 1 hora após o evento para retirar o veículo do estacionamento.

No fins de semana, o visitante poderá estacionar 1 hora antes do espetáculo e sair 1 hora depois, a utilização do estacionamento fora desse período irá gerar cobrança de acordo com a tabeça de preços da Estacione.

A entrada principal do estacionamento conveniado é a da Rua Espírito Santo. No entanto, decorrido mais de 1 hora após o término do espetáculo, o visitante terá acesso por outra entrada, a Rua da Bahia, 600.

O estacionamento somente trabalha com dinheiro.
O ticket do teatro deve ser impresso (papel ingresso ou folha simples) e entregue ao funcionário do estacionamento na retirada do veículo.

Estacionamento na Rua
Para os visitantes que desejam estacionar os veículos na ruas próximos ao Cine Theatro Brasil Vallourec, a BH Trans liberou as seguintes vias:

Canteiro Central da Avenida Amazonas, no quarteirão do cine Brasil (nos dois sentidos).
Canteiro Central da avenida Afonso Pena, em frente ao Cine Brasil (sentido rodoviária/mangabeiras)

Valores

R$ 15,00 inteira
R$ 7,50 meia

Informações

-É expressamente proibido o consumo de alimentos no interior do teatro
-Perde-se o direito ao lugar marcado após o início da sessão

Ficha Técnica

Música
- Direção artística: Manobra e Sérgio Pererê
- Direção musical: Sérgio Pererê
- Músicos: Anna Lages, Daniel Guedes, Dj Sense, Eduardo DW, João Paiva, Julia Dias, Gleison Junio, Heberte Almeida, Manu Ranilla, Marcos Chagas e Raissa Uchôa
- Iluminação: Wladimir Medeiros
- Sonorização: Fabrício Galvani
- Produção: Elias Gibran e Mariana Maioline

Show de lançamento do primeiro CD Projeto Manobra

Grupo de rap apresenta trabalho inspirado em musicalidade negra brasileira.


No dia 17 de junho (sábado), o Projeto Manobra apresenta seu primeiro disco no Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil.

O Projeto Manobra propõe um rap orgânico, em uma profusão de timbres e referências musicais.

O grupo é formado por: Anna Lages (pandeiro e voz); Eduardo DW (voz); Gleison Junio (cajón, surdo, zabumba, caixa e efeitos); Heberte Almeida (guitarra, violão e voz); Raíssa Uchôa (baixo e voz); Marcos Chagas (cavaquinho e voz) e Manu Ranilla (caixa de folia, conga, pandeiro, efeitos e voz).

Formada em 2014, a banda apresenta seu álbum de estreia “Ruas e Rios”, que conta com direção musical de Sérgio Pererê. As batidas fortes e características do estilo musical rap são desenhadas e executadas por uma base percussiva repleta de instrumentos acústicos.

A proposta é trabalhar a musicalidade negra brasileira, a personalidade dos tambores de Minas em diálogo com o rap. A sonoridade agrega guitarras, baixo, cavaquinho e o canto melódico. Em uma trama com ritmos brasileiros como o samba, maracatu, congo baião, em riffs de guitarra e em levadas de soul e funk, outras conversões estéticas são delineadas e alinhadas aos traços estilísticos da cultura hip hop.

Em seu discurso poético musical, o Projeto Manobra se propõe a afirmar a identidade e a memória das ""quebradas"". Através do rap, na forma de um livro sonoro, são narrados poemas desse povo dos cantos da cidade, da juventude negra urbana e de bordas ainda mais longínquas, como o Vale do Jequitinhonha.

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Show L 75 min

Manobra Lançamento do disco "Ruas e Rios (Teatro de Câmara)

Cine Theatro Brasil Vallourec

Centro - Belo Horizonte - MG

Show de lançamento do primeiro CD Projeto Manobra

Grupo de rap apresenta trabalho inspirado em musicalidade negra brasileira.


No dia 17 de junho (sábado), o Projeto Manobra apresenta seu primeiro disco no Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil.

O Projeto Manobra propõe um rap orgânico, em uma profusão de timbres e referências musicais.

O grupo é formado por: Anna Lages (pandeiro e voz); Eduardo DW (voz); Gleison Junio (cajón, surdo, zabumba, caixa e efeitos); Heberte Almeida (guitarra, violão e voz); Raíssa Uchôa (baixo e voz); Marcos Chagas (cavaquinho e voz) e Manu Ranilla (caixa de folia, conga, pandeiro, efeitos e voz).

Formada em 2014, a banda apresenta seu álbum de estreia “Ruas e Rios”, que conta com direção musical de Sérgio Pererê. As batidas fortes e características do estilo musical rap são desenhadas e executadas por uma base percussiva repleta de instrumentos acústicos.

A proposta é trabalhar a musicalidade negra brasileira, a personalidade dos tambores de Minas em diálogo com o rap. A sonoridade agrega guitarras, baixo, cavaquinho e o canto melódico. Em uma trama com ritmos brasileiros como o samba, maracatu, congo baião, em riffs de guitarra e em levadas de soul e funk, outras conversões estéticas são delineadas e alinhadas aos traços estilísticos da cultura hip hop.

Em seu discurso poético musical, o Projeto Manobra se propõe a afirmar a identidade e a memória das ""quebradas"". Através do rap, na forma de um livro sonoro, são narrados poemas desse povo dos cantos da cidade, da juventude negra urbana e de bordas ainda mais longínquas, como o Vale do Jequitinhonha.