Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PR
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Drama 16 90 min R$ 40,00

O Assalto

Endereço

Alameda Nothmann, 1135
Centro - São Paulo - SP

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(11) 2122-4070

Temporada

Quinta e Sexta 21h

07 de Fevereiro a 30 de Junho de 2017

Ingressos

R$ 40,00

Promoção Itaucard

50% de desconto para clientes Itaucard.

Promoção pessoal e intransferível para o titular do cartão na compra de um ingresso inteiro. Válido somente para 1 apresentação do espetáculo, mediante pagamento com cartões participantes da promoção.

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.

Valores

R$ 40,00 inteira
R$ 20,00 meia

Em uma sala Vitor um funcionário de 25 anos, está à beira de um colapso. Esgotado pela rotina monótona no trabalho e fragilizado por uma vida solitária el decide tomar as rédeas de sua vida, e vê na fascinante figura do faxineiro, Hugo, homem simples e portador da vitalidade e exuberância que lhe faltam. Aliado perfeito.
Na dramaturgia de José Vicente assistimos a solidão e a “coisificação” do homem contemporâneo como agentes que impossibilitam a transformação sem uma ação extrema, sem “ O assalto” à vida adormecida.

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Drama 16 90 min

O Assalto

Espaço Cia da Revista

Centro - São Paulo - SP

Em uma sala Vitor um funcionário de 25 anos, está à beira de um colapso. Esgotado pela rotina monótona no trabalho e fragilizado por uma vida solitária el decide tomar as rédeas de sua vida, e vê na fascinante figura do faxineiro, Hugo, homem simples e portador da vitalidade e exuberância que lhe faltam. Aliado perfeito.
Na dramaturgia de José Vicente assistimos a solidão e a “coisificação” do homem contemporâneo como agentes que impossibilitam a transformação sem uma ação extrema, sem “ O assalto” à vida adormecida.